• RETINA

    Os problemas que podem ocasionar um descolamento de retina estão ligados a Hereditariedade, Traumas Oculares, Alta Miopia, Diabetes Mellitus, Uveites e complicações cirúrgicas.

    Hoje existem técnicas cirúrgicas que dependendo de cada caso será analisada e utilizada pelo oftalmologista.

    • Dra. Noemi Yamaguchi

      • Retina
  • REFRATIVA

    A Cirurgia refrativa para a correção de miopia e astigmatismo, é muito segura, desde que obedeça critérios de avaliação, feitos pelo oftalmologista.

    A técnica mais utilizada é LASIK.

    • Dr. André Gustavo B. Nicoletti
      CRM 101.642

      • Refrativa (Miopia), Plástica Estética, Pálpebra e Pterígio.
        • FORMADO PELA FACULDADE DE MEDICINA DA FUNDAÇÃO ABC EM 2000
        • RESIDÊNCIA MÉDICA NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FMUSP ATÉ 2004
        • TÍTULO DE ESPECIALISTA EM OFTALMOLOGIA PELO CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA EM 2003
        • DOUTORADO DEFENDIDO NA FACULDADE DE MEDICINA DA USP EM 2009
        • MEMBRO DO CORPO CLÍNICO DA CLÍNICA FONÇATTI DESDE 2004
  • CATARATA

    Existem vários tipos de Catarata, a congênita presente nos recém nascidos, a senil, mais comum, que é desenvolvida ao longo dos anos, cataratas secundárias a traumatismo, algumas doenças como diabetes e uso indevido de medicamentos.

    A técnica cirúrgica mais moderna é a FACO EMULSIFICAÇÃO, procedimento rápido, eficiente e seguro.

    • Dr. Carlos Roberto Fonçatti

      • Catarata
    • Dr. Jonas Rufino Silva Neto
      CRM 114.889

      • Catarata
        • TÍTULO DE ESPECIALIDADE CBO / AMB
        • ESPECIALISTA EM CATARATA
        • MEMBRO DA SOCIEDADE AMERICANA DE CATARATA E CIRURGIA REFRATIVA (ASCRS)
        • MEMBRO DA SOCIEDADE EUROPÉIA DE CATARATA E CIRURGIA REFRATIVA (ESCRS)
        • COORDENADOR DO SETOR DE CATARATA EM HOSPITAL DA SESP
        • PROFESSOR NO CURSO DE MEDICINA UNICID
        • PRECEPTOR EM CIRURGIA DE CATARATA EM HOSPITA DA SESP
    • Dra. Juliana Lopes Jardim

      • Catarata e Glaucoma
  • GLAUCOMA

    3% a 4% da população acima de 40 anos de idade, tem glaucoma. É uma doença que se desenvolve sem sintomas e que pode levar a cegueira de caráter irreversível, e não diagnosticada e tratada a tempo.

    A prevenção é a melhor forma de evitá-la, consultando o oftalmologista, fazendo exames periódicos após os 35 anos de idade.

    • Dra. Juliana Lopes Jardim

      • Glaucoma e Catarata
  • ESTRABISMO

    Pode ser congênito (ao nascimento) ou aparecer entre 2 a 4 anos de idade (adquirido). Quanto mais rápido e precoce o diagnóstico e a orientação terapêutica (exercícios ortópticos) melhor o resultado estético e funcional (melhora da visão).

    A cirurgia de estrabismo é realizada nos pacientes em que mesmo após o tratamento ortóptico e com uso correto dos óculos, persiste um desvio entre os olhos.

    • Dra. Simone Nakayama

      • Estrabismo e Cirurgia Pediatra
  • PTERÍGIO

    O pterígio é uma formação carnosa que avança sobre a córnea, geralmente do lado nasal. Trata-se de uma resposta do olho a um processo de irritação ocular crônica, em que a exposição à luz solar e ao vento têm um papel importante.

    A cirurgia do pterígio é feita em centro cirúrgico, com anestesia local (ou seja, a pessoa fica acordada e não recebe anestesia geral), dura em média 15 a 30 minutos, e a pessoa vai para casa no mesmo dia e com curativo no olho. Nos primeiros dias, o olho fica vermelho e irritado e com o uso dos colírios vai voltando ao normal em algumas semanas.

    • Dr. André Gustavo B. Nicoletti
      CRM 101.642

      • Pterígio, Refrativa (Miopia), Plástica Estética e Pálpebra.
        • FORMADO PELA FACULDADE DE MEDICINA DA FUNDAÇÃO ABC EM 2000
        • RESIDÊNCIA MÉDICA NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FMUSP ATÉ 2004
        • TÍTULO DE ESPECIALISTA EM OFTALMOLOGIA PELO CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA EM 2003
        • DOUTORADO DEFENDIDO NA FACULDADE DE MEDICINA DA USP EM 2009
        • MEMBRO DO CORPO CLÍNICO DA CLÍNICA FONÇATTI DESDE 2004
  • PLASTICA ESTÉTICA E PATOLÓGICA

    A plástica ocular é uma subespecialidade dentro da oftalmologia, que trata dos problemas que envolvem as pálpebras, sejam eles de ordem patológica ou estética. Para corrigir imperfeições e defeitos de nascimento ou adquiridos nos anexos oculares (pálpebras, cílios, supercílios) , no próprio globo ocular e nas vias lacrimais.

    São variados e dependem do quadro do paciente. Inclui o tratamento de blefarite (acúmulo de secreção junto aos cílios), ?terçol?, calázio (inflamação palpebral causada pela obstrução sebácea), cílios que nascem virados para dentro do olho, entrópio ou ectrópio (inversão da margem palpebral para fora ou para dentro do olho), além da reconstrução das pálpebras devido a lesões ao redor dos olhos.

    • Dr. André Gustavo B. Nicoletti
      CRM 101.642

      • Plástica Estética, Refrativa (Miopia), Pálpebra e Pterígio.
        • FORMADO PELA FACULDADE DE MEDICINA DA FUNDAÇÃO ABC EM 2000
        • RESIDÊNCIA MÉDICA NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FMUSP ATÉ 2004
        • TÍTULO DE ESPECIALISTA EM OFTALMOLOGIA PELO CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA EM 2003
        • DOUTORADO DEFENDIDO NA FACULDADE DE MEDICINA DA USP EM 2009
        • MEMBRO DO CORPO CLÍNICO DA CLÍNICA FONÇATTI DESDE 2004